Proximidade



Em educação online, como em toda a forma de educar, importa perceber quais os apectos a ter em conta para que a aprendizagem significativa aconteça. Nasce, desta forma, a necessidade de a tornar satisfatória para quem aprende e para quem ensina. O processo de ensino-aprendiagem inclui,senão na sua maioria, relações interpessoais. Como tal, vamos aqui debruçar-nos sobre o conceito de proximidade com base nos estudos realizados por vários autores.

A proximidade em relações interpessoais é influenciada por cada um dos indivíduos, o seu rosto e expressões faciais, o olhar, o sorriso, a postura do corpo, a posição no espaço, os gestos, a voz e a sua entoação. O olhar é visto por muitos autores como importante para o estabelecimento de proximidade, intimidade e confiança.

Comportamentos de proximidade são comportamentos que reduzem a distância física ou psicológica entre indivíduos, promovendo a afiliação. São comportamentos que geram oportunidades quase espontânea de aproximação dos participantes, sentido-se ligados entre si.

São exemplos de comportamentos não verbais de proximidade: redução da distância física, poses, posturas, movimentos descontraídos, utilização de gestos e sorrisos, sinais vocais e entoação, direcção do olhar, contacto ocular durante as interacções.
São exemplos de comportamentos verbais de proximidade: utilização de pronomes pessoais, utilização do humor e de elogios, utilização de uma linguagem inclusiva, chamar os outros pelo nome próprio.

rosto.jpg
Fig. 1 - Expressões faciais (retirado de www.funtastico.com.br/.../ 2010/01/rosto.jpg em 09 de Abril de 2010)

Ao transpor estas comportamentos para a educação online percebemos a dificuldade dos mesmos acontecerem, criando-se outro conceito que focaremos de seguida.

Ao conjunto de pistas comunicativas em canais mediados dá-se o nome de Proximidade Mediada, podendo esta formar as percepções de proximidade psicológica entre os sujeitos que interactuam. Desta forma, podem gerar-se comportamentos que contribuem para a diminuição da distância psicológica e social.

Bickmore & Picard (2005) sugerem o aprofundamento recíproco de auto-revelação, o humor, falar sobre passado e futuro e comportamentos de continuidade que unem tempos de separação.

O’sullivan et al (2004) sugerem também a categorização destes comportamentos em Tipo I, indicativa de uma mensagem (auto-revelação, expressividade, acessibilidade, informalidade, similaridade, familiaridade, humor, atractividade, perícia); e Tipo II, com pistas mais genéricas que assinalam a mensagem (personalização, envolvimento, solidariedade, etiqueta).

Nardi (2005) referia-se aos comportamentos como “Conexão”, podendo ser de afinidade (tocar, comer, beber, experiências e espaços comuns), empenhamento (expressar vontade de relações mútuas) ou capturar a atenção (olhar, negociação de interacção).

Apesar de todos os estudos e categorizações, considera-se que os sujeitos fazem uma procura constante e activa de formas de ligação social que vão para além das pistas mencionadas. Algumas têm impacto pré-consciente, fisiológico e corpóreo. A ligação (mais físico) e o conhecimento mútuo (mais reflexivo) complementam-se mas acontecem em tempos distintos, continuamente.

Nardi (2002) referiu a existência das Zonas de Comunicação, onde a conexão permanece activa constantemente. A transposição do físico para o reflexivo é fundamental, segundo o autor, para a compreensão da comunicação mediatizada. Com esta compreensão, os comportamentos de proximidade podem ser mais facilmente criados gerando efeitos positivos na qualidade das relações nos diferentes planos (afectivo, motivacional e académico).
Pelas várias teorias/conceitos sucintamente apresentados percebemos que a proximidade é crucial para as relações interpessoais, de forma positiva, possibilitando gerar experiências significativas no processo de ensino-apendizagem. Em ambiente online, a distância, tona-se essencial que todos os participantes percebam esta relação e a zona em que acontece. Com o conceito de Presença Social
apresentado noutra página desta wiki é mais fácil esta compreensão.


Retirado de Quintas-Mendes, A.; Morgado, L. & Amante, L. (2010) – Comunicação Mediatizada por Computador e Educação Online: da Distância à Proximidade. In: Marco Silva; Lucila Pesce & Antônio Zuin - Educação online: cenário, formação e questõesdidático-metodológicas, Editora WAK, Rio de Janeiro,Brasil